12.7.15

MUDANÇAS POR TODA PARTE!

lia raquel me mandou um email se apresentando e perguntando sobre a possibilidade de nos encontrarmos durante um final de semana para conversarmos.
disse que teríamos um acampamento e que ela seria muito bem-vinda.
ela disse que nunca havia acampado antes, pediu algumas informações e decidiu vir.
foram mais de 10 horas de viagem de ônibus, e quando chegou na cidade, por sorte encontrou uma carona com alguém que também estava vindo acampar.
chegou essa simpática mulher, de cabelos brancos, estatura baixa, olhos brilhantes e sorriso fácil.
se aventurou a montar a barraca emprestada pela primeira vez e foi se juntando ao grupo.
um mês depois do acampamento eu recebo o email e as fotos abaixo relatando suas novas aventuras.
compartilho aqui essa inspiração.
sabendo que não foram alguns dias de convívio que a fez gerar todo esse movimento, mas sim algo que ja estava dentro dela e que ela decidiu dar atenção.


Querida Ana...
Ver seu vídeo Desescolarização desencadeou em mim um tsunami...
Tinha antecedentes...alguns documentários já haviam me estremecido: Escolarizando o Mundo, Educação Proibida, Quando sinto que já sei...
Achei o http://anathomazblogspost.com.br e o seu e-mail. Entrei em contato e fiquei aguardando o acampamento, que chegou em menos de 3 meses...
Nunca havia acampado...as orientações eram uma incógnita que de inicio suspeitei ser brincadeira, mas era sério e eu não conseguia desistir. Mil coisas se ajustando pra viabilizar essa ida e na véspera o carro quebra em outra cidade e não ficou pronto, me arranjei como pude com bagagem e fui de ônibus. Nove horas... só até Campinas; as primeiras foram de pura contemplação, mas nos últimos minutos uma antiga crise de pânico veio conferir minha vontade...respirei fundo, conversei com a razão, ratifiquei posição e segui em frente.
Encontrar carona no mercado foi uma luz. No acampamento tudo era estranho e novidade. Fiquei vendo e sentindo o que me chegava: o local, as pessoas, os alimentos, o Tethahiling, a fogueira, o céu, a barraca, o clima, a energia de tudo isso.
Dormir na barraca foi um desafio pela umidade e frio. Mas ver o dia amanhecer, voltar ao local da fogueira, estar no Morro com aquela paisagem, foi aconchegante. Assim como o gesto do Marcus de emprestar o colchão e edredon, ou da mãe da Sasha me convidar para dormir no quarto; ou os pequenos pedirem pra eu ler os nomes indicados nos Atlas. Enfim, o convívio foi desvelando generosidades,  levezas, alegrias, descobertas de mim.
Na hora de ir embora conversando com a Ana fui dizer de algo que me incomoda nas creches da cidade que moro e no ato percebi minha responsabilidade nisso. O trem estava descarrilado... Percebi que me incomodava mais do que pensava porque tinha de mim. As educadoras dão atividades em papel para crianças a partir dos 3 meses, tem até portfolio. Eu acusava as educadoras...Dou aula na única faculdade de pedagogia dessa cidade há 15 anos, sou formadora dessas educadoras, se não diretamente, mas de opinião. Não me posicionei inteira sobre o assunto até então. Isso me fez rever tudo na minha profissão. Cheguei de Piracaia na segunda-feira à meia-noite e meia, as sete estava em Castilho com meus alunos deficientes e a noite na faculdade. Andando pelo corredor mil pensamentos na mente. O que vou fazer em sala de aula? Entrei e os alunos teriam de expor atividades práticas de matemática e estava tudo pronto, menos eu. Olhava para eles e eles me olhavam, de repente o silêncio ficou demais e eu disse que não tinha condições de dar aula, que tinha chegado de um Acampamento com pais que não colocam os filhos na escola, que vivi experiências incríveis, e que descobri que não sei nada e que meu doutorado serviu só para eu ler legendas de um Atlas para umas crianças de 4 anos...ficaram me olhando e perguntaram se tinha foto. Mostrei as fotos que eu tinha...de barracas ao amanhecer e do morro...Me pediram para eu levá-los a Piracaia. Eu achei que eles não tinham escutado direito e disse meio brava que passaria o e-mail da Ana e quem quisesse entrasse em contato. Falei que iria embora e quando me preparava para sair um grupo pediu: - acampa com a gente! Eu lhes respondei: Onde é que vou acampar com vocês? Eu não tenho nem casa própria! E foram falando e arrumando possibilidades e eu ri e fui saindo. Mas eu ouvi aquele pedido. No outro dia entrei  em contato com um amigo que tem um sitio e que tinha sonhado comigo nesse sitio com várias pessoas acampando. Chutei e contei a história e ele aceitou...e já aconteceram dois acampamentos. O primeiro somente com alunos no dia 30 de maio e o segundo dia 04 de julho participou também uma professora de 70 anos e 4 pessoas de outra cidade que não são meus alunos mas souberam e quiseram participar.
As aulas também não foram mais as mesmas nem na faculdade nem na sala de recurso. Mudou o tempo, o ritmo, o conteúdo, a avaliação, a busca pelo conhecimento e a fonte. Mudou a professora.
Além das aulas, nos finais de semana vou a casa dos alunos da sala de recurso, passando o dia com eles; as vezes levando outros alunos junto, compartilhando serviços, refeições, brincadeiras. A agenda está repleta de visitas e solicitações. Até família de ex alunas da faculdade tenho visitado. Essas visitas são em assentamentos, sítios, fazendas.










6 comentários:

Anônimo disse...

😍😍😍😍😍😍😍😍😍

Léia Guimarães disse...

Que lindo! Eu sei o que é isso. A gente não volta o mesmo depois de um acampamento desse.

Cinemusique disse...

Ai Ana, que coisa incrível!! Que força nisso tudo!! Muito feliz em ler!!

disse...

Que história mais linda!

disse...

Que história mais linda!

jú xerez disse...

Me emociono com essa estória, com a mudança de sentido na vida dessa professora. Muito feliz com isso e buscando o sentido próprio da minha vida. Abraço!