26.6.14

SER OU PERTENCER, EIS A QUESTÃO!

somos um ser composto de muitas forças
nosso corpo concretiza essa composição
no corpo se encontram instinto, intuição, percepções, emoções, mente e muitas outras forças que o compõe e o atravessa

no nosso processo de vida, a mente foi super valorizada
e todas as outras forças desinvestidas
e assim criou-se a dualidade - mente x corpo

uma mente não vive sem um corpo
então uma mente, que já não habita seu corpo, procura outros corpos para habitar
o corpo do conhecimento, da instituição, do guru, da religião, dos partidos políticos...
qualquer outro corpo, menos o próprio corpo
por isso temos uma mente que possue um corpo
a mente aprende fora e tenta dominar um corpo para realizar o aprendido

assim pertencemos
deixamos de SER
pertencemos a um grupo social, intelectual, racial...
deixamos de SER
queremos nos identificar
necessitamos referencias
queremos ser igual ou diferente do outro, vivemos de comparações
partimos sempre de fora
pertencemos
não somos mais

a grande mudança de paradigma é deixar de pertencer e começar a SER novamente

um caminho para essa transmutação é sair da irresponsabilidade e da imaturidade que todos fomos criados
somos irresponsáveis porque sempre queremos que alguem se responsabilize por nossas escolhas, queremos leis para sentirmos legitimados, buscamos os iguais para nos sentirmos certos, buscamos empregos, títulos, movimentos, grupos ativistas, queremos pertencer...

somos imaturos porque queremos mediadores
queremos que alguem diga o que é justo
somos vitimas
nos sentimos impotentes
nos relacionamos de modo amador
confundimos o que sentimos, acreditando que alguém nos faz sentir algo
que o outro (a sociedade, o governo, o patrão, o filho, a mãe...) é sempre o responsável do nosso bem ou mal estar

para SER, precisamos assumir a responsabilidade de nossas relações, de nosso autoconhecimento, de nossas criações
ao SER, somos maduros para encararmos sem intermediarios nossas relações, nossas emoções, nossas ações

SER é muito mais orgânico do que PERTENCER
pertencer demanda mais gasto energético, especulação, é necessário nos adaptarmos, criar algo que não flui em nós
SER é mais simples
só não parece fácil porque há muito tempo deixamos de praticar o SER
mas é mais simples e mais fluido do que pertencer

precisamos trazer nossa mente para dentro do corpo novamente
deixa-la lado a lado com nossa intuição, nosso instinto, nossas emoções, nossas percepções...
a mente vai adorar voltar a seu corpo de origem
o corpo vai vibrar de alegria ao voltar a se compor por inteiro
voltar a SER
TORNAR-SE
inteiro
singular
potente
criador de si mesmo

SALVE O SER!

27.3.14

"A VERDADE"


a união faz a força!

uma das frases mais cliches que temos
mas parece ser uma frase bem verdadeira
talvez seja assim mesmo
a verdade é clara
facil de entender
mas é necessário coloca-la em pratica para que ela se sustente
e não se reduza a uma frase vazia, usada para efeitos publicitários

peter brook, nosso grande diretor de teatro contemporâneo
em uma de suas peças disse
“existe a minha verdade, existe a sua verdade, existe a verdade”

a união faz a força, é uma verdade
mas só nos encontramos com essa verdade quando ela é a nossa verdade
não conseguimos percorrer esse caminho com a verdade alheia
a verdade do outro, por mais que eu confie no outro, não servirá como minha verdade
adotando a verdade do outro eu não terei a alegria de me encontrar com “a verdade”

uma verdade se sustenta pela pratica
não se morre por uma verdade
não se luta por ela
não se cria movimentos para fortalecer nossa verdade
não é preciso nos tornamos ativistas de uma verdade

vive-se a verdade

não de modo cego e dogmático,
quando uma verdade se apresenta
colocamos na fogueira
vemos o quanto ela resiste
passamos a vida colocando-a em provas
enquanto ela resistir, continuamos alimentando-a
mas sempre colocando-a em prova

a verdade resiste quando não há contradição
quando a ação, o desejo, o pensamento, o olhar para vida
estão alinhados com a verdade de cada um

toda verdade é cheia de paradoxos
mas não há contradição

comecei esse texto achando que iria falar sobre como a união faz a força
porque vivi essa experiencia
encontrei-me com alguem que sustenta uma verdade diferente da minha verdade
e como ambas somos legitimas em nossas verdades
pois praticamos, agimos, pensamos e sentimos alinhadas as nossas verdades
nosso antagonismo nos alimentou

nos unimos, com nossas diferentes verdades
nos encontramos com “a verdade”
chegamos a lugares que não alcançaríamos sozinhas

não é preciso a igualdade para nos aliarmos para a construção de uma vida potente
é na diferença que a vida se compõe
talvez a frase deva ser atualizada para
“a união das diferenças faz a força”

foi nesse universo micro que senti a possibilidade de viver em paz com a diferença
e quando algo acontece no micro cria-se a realidade do macro
eu volto para contar a experiência de viver nesse mundo novo 




24.2.14

A PERFEIÇÃO DA VIDA CONTINUA!


ampliar nossas percepções pode mudar completamente a nossa relação com os acontecimentos da nossa vida

geralmente, quando vivemos algo que nos mexe emocionalmente, temos a tendencia de fechar o ângulo e mergulharmos na problemática de modo isolado, mas quando abrimos nossa percepção, entramos em contato com um processo mais amplo (pois estamos sempre em processo), e nossa relação com o acontecimento se transforma

por exemplo
esses dias tenho desejado sinceramente trabalhar o meu humor, sinto que posso ser mais bem humorada, divertida, leve

quando eu me disponho a trabalhar essa questão eu não vou ser premiada com situações que me deixem bem humorada, eu terei que passar pelo processo de encarar e transmutar o meu estresse e as minhas irritações diante de situações que habitualmente eu reajo de mau humor

então, nada melhor que viver situações estressantes e irritantes para trabalhar a transmutação do meu humor, ao desinvestir a reação habitual, reconhecendo meu habito, observando-o e criando um espaço novo/vazio para que a emoção estagnada (mau humor) flua e algo novo possa imergir (um humor diferente que poderia ser reconhecido como bom humor, mas não uma mera representação desse estado)

resumo
quero trabalhar o bom humor? certamente me verei envolvida em situações que me colocam em contato com o que me gera mau humor

já sabendo disso, quando essas situações aparecerem, procuro ampliar o panorama e saber que esse é um processo de transmutação e não simplesmente mais uma situação irritante que tenho que enfrentar (de modo habitual)

fico então feliz da vida com a situação que me da a oportunidade de praticar a transmutação

por consequencia, o bom humor aparece e a vida fica mais leve e divertida

seja la qual for a situação que nos estagna emocionalmente, ela é parte de um todo absolutamente perfeito para transmutarmos nossas estagnações em emoções fluidas que nos coloca em contato direto com a alegria de viver

nos resta praticar a ampliação da nossa percepção e não nos iludirmos com situações aparentemente isoladas, porque depende de nós o modo como nos relacionamos com cada situação

e assim a vida segue absolutamente perfeita!





11.11.13

VIVER NO PRESENTE!


estamos bem distantes do que podemos ser
porque estamos segmentados
estamos fragmentados
poderia dizer até aleijados
certamente em relação ao nosso corpo
a nossa capacidade cognitiva
e a nossa condição emocional

para dar-se conta de um corpo desconectado, fique em pé e sinta se você joga o peso do seu corpo nas pernas e nos pés, ou continue sentado e sinta se você joga seu corpo na cadeira...se sim, seu corpo realmente está distante do que poderia ser
veja uma criança começando a andar e repare que ela não coloca seu peso nas pernas e nos pés
ou olhe a criança pequena quando senta, ela não se joga no encosto da cadeira

para dar-se conta de um cognitivo reduzido veja se sua intuição, seu instinto, sua percepção, sua sensação, tem o mesmo valor que sua razão
você reconhece que aprende coisas importantíssimas sem saber como e nem de onde elas surgiram?
se não, seu cognitivo está distante do que poderia ser, está fragmentado e investindo somente nos 5% consciente e desinvestindo os 95% que são inconsciente.

e para dar-se conta das emoções estagnadas perceba se você fica ressentido, magoado, e guarda na memoria suas emoções negativas, se sim, seu fluxo emocional está estagnado, por isso bem distante do que poderia ser; livre, fluido e o motor para ações concretas, praticas e construtivas, independente da emoção ser alegria ou raiva

citei a criança pequena como exemplo de bom uso do corpo, porque ela não joga seu peso para as pernas, pois é anti anatômico jogar o peso de um corpo em cima de três articulações enormes que estão la para liberarem nossos movimentos

do mesmo modo, a criança pequena aprende sem nem saber como ou por onde, mas aprende, não imita somente, aprende mesmo e sempre surpreende os adultos que vivem com ela, porque realmente não temos idéia de como ela aprende muitas coisas 
é que quando temos o cognitivo pleno o aprendizado acontece assim, por todos os poros

e alguem já viu uma criança pequena se ressentir?
ela pode ficar extremamente chateada por alguma ação (ou não ação) dos pais, por exemplo, mas não demora muito para ela zerar qualquer emoção e seguir confiando plenamente em seus pais

vou mudar um pouco o assunto, mas já volto nesse acima

chegamos ao seculo 21 e já escutamos que aprender a viver no presente é o que realmente importa
pessoas meditam uma vida inteira para conseguirem estar no presente
já sabemos que esse vazio que sentimos, essa incompletude que nos faz correr atrás de coisas, de reconhecimento, de sucesso, de dinheiro, de amor, de paz...é uma ilusão, pois podemos nos dedicar uma vida inteira a isso, e nunca termos a sensação de que “chegamos la”, a não ser em pequenos momentos de grande ilusão onde uma conquista nos faz sentirmos vitoriosos, mas seu prazo de validade vence logo

então volto para a criança pequena e percebo que alem de ser um corpo inteiro, um cognitivo pleno e emoções fluidas, ela é uma especialista em viver no presente

ela brinca como se não houvesse amanhã
controi e destrói com a mesma importância
experimenta e experiência sem acumular
e quando volta para a mesma experiência, é tudo diferente, é de novo no presente

estou acreditando que a capacidade de estar no presente está intimamente conectada com a condição de ter corpo integro, cognitivo pleno e emoções fluidas

talvez seja por isso que as praticas que tanto buscamos e nos dedicamos para sairmos desse buraco em que nos metemos, tem um efeito ínfimo no dia a dia

nenhuma pratica nos garante a transmutação
posso meditar, fazer yoga, fazer jejum, ler autores inspiradores, viajar o mundo, adquirir conhecimento... mas na pratica, no dia a dia, a mudança é muito pequena
continuo criando um buraco insaciável em mim, e me torno uma buscadora, sigo com o vazio e acreditando que no futuro poderei preenche-lo, e assim viro uma profissional em fazer workshops na esperança de estar pronta para quando o futuro chegar

porque todas essas experiências mesmo que maravilhosas estão sendo vivenciadas por alguem com o corpo desconectado, com o cognitivo fragmentado e com as emoções estagnadas

então, mesmo tendo consciência de que o ideal seria viver de um determinado modo (diferente do atual), continuamos vivendo do jeitão de sempre, talvez com uma capacidade de explicação mais elaborada, ou talvez com culpa, ou ainda acreditando que não chegou o momento da virada, ou porque ainda acha que está se preparando, mas um dia...

porem, a transmutação não acontece porque o corpo e tudo o que lhe compõe, continua sendo o mesmo de sempre, desconectado, reduzido e estagnado

a natureza é clara
não posso criar a realidade que quero ou que sei
só posso criar a realidade que sou

assim afirmamos a perfeição da natureza, estamos vendo que uma sociedade de corpos desconectados, cognitivo reduzido, emoções estagnadas, cria suas realidades de acordo com esses estados

temos a sociedade que merecemos, reflexo do que somos

por isso o trabalho tem que ser feito em nós, vamos parar de perder tempo e nos distrairmos com a ilusão de mudar o mundo

vamos mudar a nós mesmos!

vamos transmutar!

só o conhecimento não basta, precisamos agir, e nossas ações são determinadas por nossas emoções e não por nossos conhecimentos.

vamos reconquistar nossos corpos, vamos ampliar nossa capacidade cognitiva, vamos fluir nossas emoções

não temos ideia do que podemos, somos e podemos muito mais do que imaginamos 




15.9.13

NO MEIO DO MATO!


me mudei para um sitio, no meio do mato

sem internet, sem tv e sinal bem restrito de celular

na verdade, tenho internet no centro da cidade a 7km

tem tv na casa de minha mãe, que é vizinha

e se eu subir no morro, consigo um pouco de sinal no celular

mas tem sido muito bom, nesse momento, restringir todos esses acessos

assim tenho tempo para muitas coisas que considero essenciais para o processo que estou vivendo

para minhas filhas tem sido incrivel, brincam o tempo todo e ficam conectadas com seus desejos potenciais sem distrações

ainda vou muito a são paulo, um ou dois dias da semana, pois estamos em transição com alguns compromissos, e o contraste fica obvio, eu com menos tempo e as meninas mais distraidas

mas aproveitamos para viver o melhor da cidade e assim fomos a exposição de sebastião salgado, genesis, que está no sesc belenzinho

genesis é o retrato da natureza intocada pela civilização

da natureza humana inclusive

pelas fotos, fica claro que as tribos que vivem a parte de nossa civilização, criaram seus processos sociais, não são selvagens

desenvolveram crenças, habitos, costumes, criando uma rede fechada onde é possivel reconhecer a pessoa como parte integrante de uma comunidade

para mim o grande merito é a harmonia com que essas tribos vivem com a natureza

tenho acreditado que para nós, filhos da revolução industrial, o caminho de volta a harmonia com a natureza, inclusive a humana, não seria buscar tribos para nos inserirmos, nem negar toda tecnologia, costumes e habitos que adquirimos com nosso modo de vida

mas sebastião salgado nos inspira a perceber que o contato direto com a natureza, inclusive a humana, nos transforma por conta de sua força facilmente observavel

regenerar uma terra, plantar, colher e comer, contemplar a beleza da paisagem, sentir o cheiro, o silencio, os sons...são experiencias que rapidamente nos conectam com a natureza, inclusive a humana

e não precisamos parar por aí, podemos viver com a natureza de um modo criativo, artistico, sensível...

as vezes eu escuto pessoas dizendo que o ser humano não tem mais jeito, por suas ações insanas, por suas necessidades futeis, por sua ilusão com o poder, por sua impotencia...

mas do mesmo modo que se ve uma terra devastada recuperada com cuidados basicos, o ser humano também reencontra sua natureza potente e a favor da vida quando transmuta seu modo de pensar, sentir e agir a vida

a vida está aí, abundantemente oferecida com todas as condições de ser vivida em plenitude

sem objetivo pre determinado

não precisamos alcançar nada, chegar a lugar nenhum, basta sermos

o que devolvemos ao viver a vida, é sempre inedito, é sempre uma surpresa

não creio que para nós o caminho seja voltar a viver em tribo para educar um filho, como diz o ditado

na altura do campeonato, seria algo caricato

talvez possamos aproveitar o desvio que já foi tomado e criar a independencia

independencia das instituições, dos habitos, da acomodação, do pre determinado, do controle, das garantias, dos sonhos dos outros

o grande paradoxo é que quanto mais independente, quanto mais auto sustentavel, mais disponiveis nos tornamos para verdadeiramente nos encontrarmos com o outro

as fotos de sebastião me enchem os olhos de alegria e me aquecem o coração

a vida no meio do mato me inspira uma vida livre e ousada

viva a independencia, salve os encontros!








17.6.13

PODEMOS SER LIVRES!

cada vez mais tenho dado conta que a desescolarização é parte de uma grande mudança de paradigma: a massificação

para controlar - dominar pessoas, é necessário massifica-las

criar população, criar a massa

e não existe população e nem massa na natureza

existem singularidades

cada vez que presencio o nascimento de um bebê em um parto natural assisto uma mulher singular parindo e um bebê singular nascendo

ali se comprova a não massificação da vida e das pessoas

precisamos exercitar nossa singularidade

deixar de querer fazer parte da massa

seja a massa da classe media

seja a massa dos alternativos

não precisamos nos juntar em massa para criar condições de vida potente

paradoxalmente, é na singularidade que aceitamos a diferença

é na singularidade que nos unimos verdadeiramente, sem interesses, muletas, especulações

a monocultura é a massificação da agricultura, é o empobrecimento do solo, e do alimento

estamos sempre buscando nossa monocultura, nossa turma, os iguais, a igualdade

é na diferença que a vida acontece de modo potente

na diversidade a vida criativa acontece

o ser singular não é um individuo fixo, que não muda porque não quer perder sua individualidade

o ser singular se diferencia de si mesmo constantemente, se cria, se auto produz, vida afora

nem por isso é um ser inconstante, mas sim atualizado com tudo que lhe atravessa, que chega aos seus sentidos

é o ser do presente

na singularidade encontramos o universo dentro de nós

e sentimos a cada mudança em nós, o universo em movimento

voltamos para nossa velha questão

o trabalho é em nós

a mudança é em nós

em cada um de nós

não precisamos de um mundo perfeito para encontrarmos a perfeição

a perfeição pode acontecer imediatamente em nós

e como a realidade não existe e sim insiste

é necessário insistir na realidade da perfeição da vida constantemente

sempre em mudança, em movimento e alinhada a potencia da vida

desinvestindo em nós a busca de sermos parte de uma massa

nossas ações serão outras, nossas emoções serão outras, nossa vida será outra

assim não precisaremos desejar a igualdade e sim afirmar e aceitar incondicionalmente as diferenças

assim não precisaremos de justiça, nem de leis eficientes, nem de policiais gentis

seremos livres