29.5.16

ALÉM DO QUE NOS CONHECEMOS!

desde muito cedo aprende-se a estabelecer relações com entidades, instituições, profissionais, funcionários, representantes...

relaciona-se com mamãe, papai, vovó e vovô, titios e titias, irmãos, empregada, médico, professora, caixa do supermercado, filho da fulana, representante de tal idéia, dono de tal lugar, com o zelador que é chamado para falar com o filho da mãe do vizinho que faz barulho depois das 22h e que está a três passos da porta

mesmo sabendo seus nomes ou tendo intimidade com as pessoas, relaciona-se com o que elas representam

e assim prepara-se para tornar-se cliente e relacionar-se com os atendentes de nomes fictícios

e precisa de um advogado para brigar com o advogado do patrão que pediu para o r.h. escrever a carta de demissão

casa-se com o casamento e vive-se como marido e mulher e declara o amor no dia do aniversário de casamento para o facebook

estuda-se para a profissão e torna-se um título

trabalha-se para o dinheiro

submete-se ao poder e deseja o reconhecimento de seus pares

compartilha-se a vida com os internautas

condiciona todas as relações à suas representações

...

uma das bases de sustentação da vida legítima, incondicional e potente é criar relações com outro ser, livre de rótulos, títulos e representações

a relação de ser para ser é ilimitada e incondicional

é fonte de criação

é mais intensa e arriscada

e paradoxalmente mais simples e alegre

nossa jornada da relação acontecerá nos dias 15 e 16 de junho, em piracaia

para mais informações pode escrever para mim no email anavidaativa@gmail.com


23.5.16

JORNADA DAS RELAÇÕES!

a grande dificuldade de viver em transmutação é testemunhar a velha civilização desmoronando diante de nossos olhos, precisamos estar preparados para ver o conhecido desaparecer

isso não é uma experiência simples e fácil, mesmo quando queremos a mudança, sentimos medo, dor e ansiedade ao vermos a mudança acontecer

mas quando experienciamos a transformação, reconhecemos que não é tão complicado como imaginávamos

porque o poder de transmutação está em nós, e não depende de nossa capacidade intelectual, ou nossa situação econômica, ou nosso status social

é uma questão biológica

estamos biologicamente preparados para criarmos uma outra civilização, para criarmos uma outra era

uns chamam de "era do amor", outros de "era da criação", ou ainda, "era de ouro", todos estão de acordos que é uma "era encantadora"

para isso precisamos desinvestir muitas praticas que estão sendo cultivadas em nós desde nosso nascimento

principalmente a sensação de que somos ilegítimos e precisamos nos condicionar para pertencermos a uma sociedade, que precisamos nos adaptar, que precisamos jogar esse jogo especulador da troca, da barganha, da pechincha, da justiça, da moral, do poder…

mas uma hora sentimos despertar em nós a sensação de não querer mais jogar esse jogo anti-vida, e que é possível viver de outro modo, hoje, agora!

cresce em nós a sensação de legitimidade, de uma existência incondicional, capaz de criar nossa realidade, nosso modo de vida, sustentada por outra base, ativada por outras regras

esse é um caminho repleto de paradoxos, começando por nosso processo autopoietico (o modo como existimos), nos criamos constantemente em relação

o ato de auto criar-se está atavicamente ligado as relações, a todas as relações

as relações despertam e exercitam nossos sentidos, precisamos da relação com a luz para que nossos olhos enxerguem, precisamos da relação com o som para que nossos ouvidos escutem…

para sabermos sobre nós mesmos, precisamos observar o modo como nos relacionamos com os outros 

então nos damos conta que quando nos relacionamos com os outros estamos na verdade nos relacionando conosco, agimos conforme nossas emoções e não conforme as emoções dos outros

quanto mais acesso temos as nossas emoções, através de nossas sensações, ativadas pelos nossos sentidos, mais conseguiremos percorrer o caminho da criação, em todas as nossas relações

esse é o convite para a próxima jornada - jornada das relações 

ela acontecerá no amalaya, no retiro de 30 horas durante os dias 15 e 16 de junho

para mais informações e inscrições escreva para anavidaativa@gmail.com 



DON CARLOS E NOSSA NATUREZA PRIMORDIAL!

nossa ultima jornada, da transformação, nos levou a um processo de criação de realidade inspirador

foi durante a jornada que soubemos da confirmação da visita do nagual don carlos, um xamã mexicano, um autêntico transmissor da sabedoria maya-tolteca

por toda sua experiência de vida e de praticas, don carlos vibra em alta freqüência e só de estar em sua presença sentimos a ativação de nossa natureza primordial e nossas vibrações sendo elevadas  

será um grande presente estar em sua presença, compartilhando suas experiências e impulsionando nossa jornada

os encontros com don carlos serão nos dias 3 e 4 a primeira vivência, e dias 5, 6 e 7 a segunda

todas as informações estão no site www.amalaya.art.br

ainda em junho seguiremos com nossa jornada que acontecerá nos dias 15 e 16 de junho

na seqüência irei publicar um texto sobre a jornada das relações para iniciarmos nossas preparações para seguirmos juntos nesse processo criador e criativo



27.4.16

ALQUIMIA!

rei midas ficou conhecido pelo mito grego de transformar em ouro tudo que tocava

eu tenho um amigo muito querido que está passando um momento difícil na vida, que se auto apelidou de rei merdas, porque tudo que ele toca...

o que os dois tem incomum é a percepção de que tudo depende deles, que nada do que existe já vem com garantia de resultado, que tudo é construído a partir de suas relações com o objeto, com a situação, com as pessoas

para essa transformação podemos usar a química ou a alquimia

química é quando existe a mistura de ingredientes, e por isso queremos adquirir técnicas e conhecimento para serem os componentes das nossas experiências transformadoras

nenhuma química nos garante o sucesso, a conquista, a transformação, pois a possibilidade está na estrutura de base e não nos componentes

alquimia vai muito além da química, ela também inclui a filosofia, a matemática, a antropologia, e essencialmente a transmutação da base, onde todo e qualquer metal deverá ser transformado em ouro

e é assim que nos tornamos midas, criando uma estrutura de base onde sabemos enxergar o presente que nos é ofertado em toda e qualquer relação ou situação, o talismã que existe em cada situação que vivemos, a oportunidade de transformar qualquer metal inferior em ouro

essa é a grande recompensa de assumirmos a responsabilidade por nossas emoções em todas as relações

da trabalho, mas facilita a vida

nossa jornada da transformação caminha para nos criarmos alquimistas, nos tornarmos midas

estaremos juntos nessas 30 horas para nos dedicar a processos que envolvem todo ser, com suas estruturas corporal/física/mental/emocional/anímica, até não existir mais separação entre as partes e nos tornarmos nós mesmo em nossa singularidade, seres que se auto-constroem com lucidez e responsabilidade em todas as suas relações, e assim, tudo se transmuta em ouro

nessa jornada estamos nos dando 3 anos para seguirmos juntos nessa etapa de criação de um outro modo de sentir, pensar e agir a vida

os encontros são mensais, com duração de 30 horas, podendo participar deles de modo avulso

nosso próximo encontro acontecerá nos dias 9 e 10 de maio e para mais informações e inscrição escreva para anavidaativa@gmail.com




19.4.16

O SER QUE É, O SER QUE QUER!

a mudança significativa acontece quando a transformação se da nas estruturas de base, nas grandes pedras de sustentação onde construímos nossas vidas

aprendemos a construir nossas vidas com estruturas rígidas e condicionadoras, sustentadas por conceitos de certo e errado, baseado em comparações, sempre julgando e procurando ser julgado

podemos mudar nossas estruturas substituindo por outras tão rígidas e condicionadoras como as anteriores, mudando somente o que e a quem seguimos, mas continuaremos com o conceito de certo e errado, nos baseando em comparações e julgamentos

isso nos gera dois aspectos que nos prendem ao velho padrão, as emoções e nossas desconexões

as emoções podem estar condicionadas por crenças e hábitos, que por sua vez condicionam nossas ações e pensamentos, que por sua vez fortalecem crenças e hábitos e assim seguimos presos nesse circulo vicioso

percebemos nossas desconexões quando queremos viver de um modo mas vivemos de outro, sentimos coisas que não queremos sentir, gostaríamos de pensar diferente mas isso nos gera conflitos...

existe em nós o ser que quer e o ser que é, e parece que esses dois não estão se dando muito bem

isso é desconexão

talvez o que essa nova era nos apresente seja a possibilidade de transformação da qualidade das estruturas, deixando a rigidez e condicionalidade e criando espaço para estruturas vivas e liberadoras de fluxos, onde a conexão possa acontecer, onde as emoções possam fluir

pensar em ciclos ajuda nossa mente formatada a ganhar confiança nos processos e ver que para a transformação acontecer é necessário tempo e espaço

o primeiro ciclo dedicado a transmutar estruturas, o segundo ciclo de auto-criação em todas as relações e o terceiro ciclo de ação no mundo

esses ciclos acontecem um de cada vez e todos ao mesmo tempo

nessa jornada estamos iniciando o primeiro ciclo, desinvestindo as velhas estruturas e dando espaço para estruturas vivas serem criadas

nesse processo deixamos de querer consertar o outro e o mundo, paramos de tentar convencer os outros do nosso ponto de vista e deixamos de ser fisgados por um sistema de crenças vicioso, encontrando assim uma neutralidade, um vazio preenchido de força criadora, onde moram todas as possibilidades

diferente do que se pode imaginar, a neutralidade é um lugar cheio de emoções que nos levam a ações criadoras e criativas, nos liberando para tornarmos nós mesmos, conectando o ser que é com o ser que quer





11.4.16

TRANSFORMAÇÃO SATURADA!

a transformação está em toda parte o tempo todo

transformações diárias dos processos celulares dos nossos corpos assim como a transformação constante de tudo que está na terra

ciclicamente essas transformações chegam a um momento de saturação e isso gera uma mudança de camada, como se um portal se abrisse, como se uma outra dimensão fosse alcançada, um processo de morte e renascimento

então surge a sensação de estarmos vivendo uma grande transformação, muito além das transformações cotidianas

talvez seja uma mudança de era...

muitas coisas começam a ficar claras, muitas certezas começam a ruir e as verdades se apresentam cheias de duvidas

vejo por toda parte pessoas tomadas por um enorme desejo de agir, de mudar, de questionar, de brigar, de lutar, de viver intensamente e até de desistir de tudo; onde as crenças e a força de vida se misturam e se confundem, embaralhando as percepções e criando um grande caos interno com muita confusão mental e emocional

então surge o sentimento de impotência para transmutar, permeado pelo medo da mudança, pela insegurança do desconhecido, por crenças e hábitos

para essa transformação se sustentar é necessário uma reestruturação de base, despertando a legitimidade e a incondicionalidade de cada existência

sem isso, todo investimento das energias continuarão a sustentar e criar instituições educacionais, religiosas, burocráticas, políticas, capitalistas, médicas, militares...para que elas legitimem, determinem, ofereçam garantias e assumam as responsabilidades das quais ainda não tivemos coragem de assumir

precisamos reconstruir a sensação forte e clara de que somos legítimos e incondicionais, reconhecer que depois de um longo percurso já vivido pela humanidade, podemos gerar um acesso direto a uma força que cria e sustenta a vida e que já existe em cada um de nós

com essa conexão, cada um torna-se capaz de construir uma vida conectada a seus desígnios e propósitos, a confiar na vida e se responsabilizar por suas emoções, suas ações, suas percepções e todas suas relações

deixando assim de iludir-se com a busca insana e ilusória de uma vida feliz e reconhecer a grande alegria de viver na construção de cada um de nós como obra de arte viva

8.4.16

AS GRANDE PEDRAS QUE NOS SUSTENTAM!

"certa vez, um mestre trouxe um balde de metal e preencheu-o até em cima com pedras grandes e perguntou a seus discípulos: está cheio? responderam que sim; então pegou um saco de pedrinhas e despejou-as no balde, as pedrinhas foram encontrando lugar entre as pedras maiores e se acomodaram no balde; o mestre tornou a perguntar: está cheio? os discípulos responderam que sim; então o mestre pegou um saco de areia e despejou sobre o balde, a areia encontrou seu lugar entre as pedrinhas e as pedras grandes; e o mestre perguntou: está cheio? agora sim! responderam os discípulos; o mestre então pegou um balde de água e despejou sobre o balde, a água encontrou seu lugar entre areia e pedras..."

se houvesse começado pela água, nada mais caberia no balde

precisamos de todos os elementos

mas a ordem dos fatores altera o produto

nossa jornada, durante os três anos de encontros, experimentações, vivências e praticas, está sendo criada em ciclos

esse primeiro ciclo é de estruturação fundamental para a liberação da vida em fluxo

quando nos preenchemos de outros elementos antes da reestruturação, por mais compreensão das mudanças necessárias, acabamos usando as velhas estruturas com os novos conceitos e isso gera conflitos tão grandes que mais cedo ou tarde tudo desmorona

é preciso nos esvaziarmos dos conceitos, das certezas, das crenças e hábitos

gerar nossas mudanças sustentadas por grandes pedras estruturais como a reverencia, o assombro, a confiança na vida e todas nossas conexões atualizadas, ativadas pela alegria de viver

esse primeiro ciclo iniciou-se com um lindo encontro com o escuro

nos dias 9 e 10 de maio seguiremos com esse primeiro ciclo onde o tema será TRANSFORMAÇÃO

durante essas semanas que antecedem o próximo encontro presencial, vamos nos preparando através de textos e de um encontro virtual que faremos em breve

essa jornada estará aberta mesmo para os que não participaram da vivência anterior

as inscrições poderão ser feitas pelo email anavidaativa@gmail.com