13.2.12

EXPOSTA E NUA!

a desescolarização é um caminho de cura.! assim edilberto e tatiana finalizam seu post a compulsão a educar

a desescolarização tem sido um caminho para minha cura!

"ser e estar" ao lado das crianças com a pratica da desescolarização, tem sido o modo mais intenso e direto de conhecer a mim mesma.

estar com crianças ativas, criativas, cheias de vida não é difícil, o difícil é estar comigo mesma sendo revelada em todas as minhas marcas tão estrategicamente escondidas na vida dita social.

quando alguma situação das crianças me tira do eixo, me deixa nervosa, ou chateada, ou preocupada, ou com qualquer outro ressentimento, ao invés de tentar resolver o problema aparentemente provocado por elas, eu me pergunto "o que estou sentindo?", e uma avalanche de imagens, marcas, memorias, me invadem.

nesse momento já não preciso perpetuar o sentimento, deixo de projeta-lo nas crianças; sem mergulhos psicológicos, ou busca de justificações para o que sinto; entrego o passado ao fluxo, abro mão dele, e afirmo o presente, e em segundos, já não estou dominada pelo ressentimento, e então posso me relacionar verdadeiramente com as crianças e com a situação que provocou todo esse movimento.

tem sido um treino diário, nada fácil, apesar de muito simples, é só o que chamamos de estar aqui e agora.

e essa presença tem sido essencial para que as crianças tenham espaço para desenvolver suas potencias.

definitivamente a parte mais difícil de desescolarizar, na presença de crianças desescolarizadas, é o encontro constante comigo mesma.

um encontro que raramente acontece quando se está cumprindo funções no trabalho, em casa ou até mesmo com as crianças.

um encontro que não acontece quando estamos distraídos enfrente a t.v. ou passeando pelo facebook.

tampouco acontece quando estamos vivendo "socialmente" onde vestimos mascaras, e especulamos possibilidades e oportunidades.

com expressão assustada, com um toque de vergonha, muitas mães me perguntam: "como você consegue ficar tempo integral com suas filhas?" mas com a mesma expressão, a pergunta correta seria: "como você consegue ficar tempo integral se encontrando com você mesma?"

e a reposta é animadora:
quanto mais tempo estou com as crianças, mais fácil fica!
quanto mais tempo estou comigo mesma, mais fácil fica!

quando penso em como nos afastamos tanto de nós mesmos, nos tornando seres "sociais", sempre ocupados com uma tarefa, com uma função, com uma militância, sempre para fora de nós mesmos, fica claro que esse é o processo que começamos la na primeira infância, dentro de uma escola.

mas esse é um assunto para um próximo post.

8 comentários:

Alessandra Caprara disse...

Distanciar-se de si começa na escola... foi a frase que, até hoje, resumiu da melhor forma o que sinto :)
Amo seus posts! Obrigada!

Luciana Saboia Torres disse...

Ana Você é mesmo incrível!!!!!! Parabéns pela garra pela coragem de ser quem é!!!!!!!! Adoro!!!!! Beijos SUPERSAUDADES Lu

Edilberto Sastre e Tatiana Espíndola disse...

Essa parada para observar os próprios sentimentos, esse desvio para dentro de si...essa auto-observação...esse é o elemento. Obrigado Ana!!!!

cassia disse...

Oi Ana, fico muito feliz em ler coisas que achava que só aconteciam comigo. E sinto que as pessoas têm na verdade medo de si mesmas. Fomos desde muito cedo programados para estarmos fora de nós mesmos e quando as pessoas não têm consciência disso qualquer possibilidade de reencontro é rejeitada. Por isso cuido muito ao discutir a Desescolarização e a ED, é preciso lidar com diversas energias que vão muito além do assunto escola, socialização... Estes são só a ponta de um iceberg gigantesco. Todo amor e compreensão ajuda nessas horas pois além de curarmos cada um a si ainda temos a tarefa de conscientizar quem não quer ou não pode entender o que acontece na realidade. Mas a missão mão é impossível! abraços!

joelle disse...

oi ana, sempré leio os posts de seu blogo, e sempré acho muito interessante e inteligente
Minha esperience posso dizer que oa escola "tradiçional" leva a pessoas long de si mesmo o jeito que nos vivemos tambèm, acho muito importante sua reflexao
obrigada por isso e tudo bj Joelle

Mirella disse...

Ana obrigada pelo texto! foi mto gostoso de ler pq é justamente nisso que venho pensando e vivendo na minhas relação com os meus.
Sair dos automatimos na relação com as pessoas e principalmente com nossos filhos é trilhar uma viagem para dentro de nós.
E é claro, nao dá para ficar por lá, temos que voltar pra viver o presente, e isso faz toda a diferença. Era nesse caminho de volta, de deixar fluir o passado que eu estava me perdendo...
um exercício constante de auto superação, comprometimento e tb entrega e leveza.
obrigada querida!!
bjao

Carol Flor disse...

putisgrila!

ana carolina fialho disse...

uau, quanta sincronicidade.
estou lendo O Poder do Agora, vc conhece?
já conhecia o blog, mas agora que meu filho nasceu o redescobri.
estou adorando.
bjos,
ana