19.4.16

O SER QUE É, O SER QUE QUER!

a mudança significativa acontece quando a transformação se da nas estruturas de base, nas grandes pedras de sustentação onde construímos nossas vidas

aprendemos a construir nossas vidas com estruturas rígidas e condicionadoras, sustentadas por conceitos de certo e errado, baseado em comparações, sempre julgando e procurando ser julgado

podemos mudar nossas estruturas substituindo por outras tão rígidas e condicionadoras como as anteriores, mudando somente o que e a quem seguimos, mas continuaremos com o conceito de certo e errado, nos baseando em comparações e julgamentos

isso nos gera dois aspectos que nos prendem ao velho padrão, as emoções e nossas desconexões

as emoções podem estar condicionadas por crenças e hábitos, que por sua vez condicionam nossas ações e pensamentos, que por sua vez fortalecem crenças e hábitos e assim seguimos presos nesse circulo vicioso

percebemos nossas desconexões quando queremos viver de um modo mas vivemos de outro, sentimos coisas que não queremos sentir, gostaríamos de pensar diferente mas isso nos gera conflitos...

existe em nós o ser que quer e o ser que é, e parece que esses dois não estão se dando muito bem

isso é desconexão

talvez o que essa nova era nos apresente seja a possibilidade de transformação da qualidade das estruturas, deixando a rigidez e condicionalidade e criando espaço para estruturas vivas e liberadoras de fluxos, onde a conexão possa acontecer, onde as emoções possam fluir

pensar em ciclos ajuda nossa mente formatada a ganhar confiança nos processos e ver que para a transformação acontecer é necessário tempo e espaço

o primeiro ciclo dedicado a transmutar estruturas, o segundo ciclo de auto-criação em todas as relações e o terceiro ciclo de ação no mundo

esses ciclos acontecem um de cada vez e todos ao mesmo tempo

nessa jornada estamos iniciando o primeiro ciclo, desinvestindo as velhas estruturas e dando espaço para estruturas vivas serem criadas

nesse processo deixamos de querer consertar o outro e o mundo, paramos de tentar convencer os outros do nosso ponto de vista e deixamos de ser fisgados por um sistema de crenças vicioso, encontrando assim uma neutralidade, um vazio preenchido de força criadora, onde moram todas as possibilidades

diferente do que se pode imaginar, a neutralidade é um lugar cheio de emoções que nos levam a ações criadoras e criativas, nos liberando para tornarmos nós mesmos, conectando o ser que é com o ser que quer





6 comentários:

Mariah Pagano disse...

Sintonia hoje Ana..., em conexão com o trabalho, com a transformação,
mas percebendo a desconexão total em mim...

jú xerez disse...

Muito bom! Identificação e Gratidão. Obrigada! S2

Neila Galdino Fernandes disse...

Texto maravilhoso! Gratidão❤❤❤

Neila Galdino Fernandes disse...

Texto maravilhoso! Gratidão❤❤❤

Letícia Rick disse...

Encantador, Libertador <3

Blog do Conto em Cantos disse...

Oi Ana, queria muito conversar com você sobre a descolarização. Estamos pensando seriamente nesta proposta pra nossas filhas. Queríamos falar pessoalmente com você. Como fazemos? Você poderia? Bjs Ju e Pri