11.11.16

É DESCONSTRUINDO QUE SE CRIA!

crescemos na era do conhecimento, em um momento onde adquirir saberes, acumular conhecimento, ser bom aluno, ter um diploma...era muito valorizado

entramos na era da criação, onde por mais que lemos mais um livro, fazemos mais um curso, concluímos mestrados e doutorados...as problemáticas das relações e das emoções não se resolvem

isso não desqualifica o conhecimento, mas muda totalmente a relação com ele, deixa de ser uma aquisição para tornar-se um encontro de criação

isso não é uma verdade absoluta, mas sim uma perspectiva que estamos experimentando na vida diária na criação do amalaya

partimos do principio que já não sabemos mais como sabíamos tempos atrás, que nossos conhecimentos de outrora não resolvem os problemas atuais

começamos a ampliar nossas percepções e encontramos o sentir, as emoções que geram nossas ações

emoções que não são qualificadas, nem classificadas, ou julgadas, ou resolvidas pelo conhecimento

são emoções sentidas e percebidas

o reconhecimento dessas emoções sem desvio do conhecimento (que julga, classifica, qualifica, analisa...) leva a uma transformação, como aquela historia das ondas e partículas da física quantica que a observação transforma a qualidade da energia

observar as emoções que nos invadem quando nos sentimos aprisionados em crenças, hábitos e padrões, transforma a qualidade da emoção

a emoção deixa de ser estagnada para tornar-se fluxo e então uma emoção fluida nos leva a uma ação atualizada e precisa

surge um paradoxo da criação - é preciso desconstruir para que surja a criação

essa será a vivência de nossa ultima jornada do ano, jornada do labirinto que acontecerá nos dias 28 e 29 de novembro

maiores informações escreva para anavidaativa@gmail.com

2 comentários:

Virgínia R. Alves d'Avila disse...

Adorei, Ana!!!!
Um abraço,

Virgínia

Virgínia R. Alves d'Avila disse...

em tempo: permites que eu coloque no meu blog?
http://conversaseestorias.blogspot.com.br/