2.2.17

MARITACAS E SABIÁS!

muita gente que pensa na possibilidade de criar filhos fora da escola esbarra na questão da vida social

escutei de uma amiga uma linda resposta para essa questão

"será que não é ainda mais importante ensinar as crianças a viverem sozinhas?"

então me lembrei de rubem alves em um texto que ele cita as maritacas e os sabiás

maritacas naquela algazarra onde todas gritam ao mesmo tempo e ninguém se escuta, nem as outras, nem a si mesma

sabiás solitários que em seu silencio criam espaços para um canto poético

claro que sabiás não são melhores que maritacas, mas são mais agradáveis de conviver

é muito bom ver crianças brincando juntas, mas também é muito bom ver/ser uma criança que brinca sozinha, que tem todo tempo para si mesma, que se escuta

não falta nesse mundo possibilidade de encontrar outras pessoas, por isso essa não é uma preocupação

o ser social é aquele que aceita incondicionalmente a existência do outro, que aceita a diferença ou melhor, que cresce com a diferença do outro

o ser social é aquele que não se preocupa com a concorrência por que sabe que é impossível ter concorrente quando nos dedicamos a nos auto criar

na solitute podemos nos tornar íntimos de nós mesmo em nossa constante transformação e em nossos movimentos imprevistos e então celebrar o encontro com o outro, seja o aliado que nos faz sentir mais fortalecidos ou o antagonista que nos faz crescer

a vida social começa na relação silenciosa com a gente mesmo



  

10 comentários:

Cara Maneiro disse...

Você é linda Ana Thomaz!
Espero que você continue com o seu nobre trabalho sobre desescolarização!
Acompanho seu trabalho quieto na minha há uns 2 anos, e sempre me surpreendo com você!
Seus textos sempre me ajudam a refletir bastante, principalmente em momentos de conflito.
Um grande beijo e sucesso!

Pah disse...

<3

Unknown disse...

Amo a forma poética de como retrata cada situação:)

Te conto um conto. disse...

Excelente! Era exatamente o que eu precisava ler. Acho que só neste último mês devo ter ouvido "mas isso vai prejudicar a socialização do garoto" umas 10 vezes.
Obrigada por compartilhar conosco!
Beijo Grande
Eliz

Anônimo disse...

O que fazer se seu filho chegar aos 18 anos e decidir te processar por abandono intelectual pois não consegue passar no vestibular?

ana thomaz disse...

Caro anônimo, essas crianças, filhos de pais que decidiram cria-los fora da escola, não são abandonadas intelectualmente, mas mesmo assim não existe nenhuma garantia, assim como ir a escola não dá nenhuma garantia.
A questão primordial quando escolhemos um caminho fora do conhecido é estar atento e presente para perceber se as crianças estão se desenvolvendo de modo integral.Assim como perceber se os adultos responsáveis por essas crianças estão preparados para assumir as responsabilidades na criação de um modo de vida diferente do sistema vigente.
É um processo muito maior do que a questão vestibular.

ana thomaz disse...

Caro anônimo, essas crianças, filhos de pais que decidiram cria-los fora da escola, não são abandonadas intelectualmente, mas mesmo assim não existe nenhuma garantia, assim como ir a escola não dá nenhuma garantia.
A questão primordial quando escolhemos um caminho fora do conhecido é estar atento e presente para perceber se as crianças estão se desenvolvendo de modo integral.Assim como perceber se os adultos responsáveis por essas crianças estão preparados para assumir as responsabilidades na criação de um modo de vida diferente do sistema vigente.
É um processo muito maior do que a questão vestibular.

Anônimo disse...

Ainda assim a pessoa merece ter direitos iguais aos seus pares. E duvido que exista homeschooling que supra o curriculo escolar. Isto é, um jovem em média tem 5 horas de aulas por dia com 5 professores diferentes. Duvido que uma mãe ou pai tenha capacidade de cumprir esse currículo e dar o mesmo conhecimento que uma escola (mesmo pública) dá. Digamos que seu filho sonhe em ser médico, ou advogado, ou engenheiro civil. Sem um CRM, OAB, ou CREA ele simplesmente​ não pode. Então como um pai homeschooling garante que esse sonho seja realizado? Que ele chegue aos 16 anos com todo o conhecimento para entrar numa boa escola de medicina?
Na minha opinião pais homeschoolers são pessoas extremamente controladoras com problemas na infância que transferem isso aos filhos. Lei da compensação.

ana thomaz disse...

Caro anônimo, como não sou ativista, não incentivo ninguém a tirar seus filhos da escola, assim como não julgo e nem dou opiniões sobre escolas e pais que escolarizam seus filhos.
Estou compartilhando com todos que tenham vontade em conhecer essa mudança de perspectiva em relação a aprendizagem.
O que tenho pra compartilhar é minha experiência de aprendizagem fora da escola com meu filho que hoje tem 23 anos e nos sentimos muito agradecidos pelas escolhas que fizemos.
Caso tenha vontade de desenvolver o assunto, estou a disposição.

Anônimo disse...

Na verdade pra mim o assunto se encerra no momento em que se aceita que o homeschooling não substitui o currículo escolar. Aceito que não ir à escola não significa se transformar em um "mal elemento". Até porque tenho muitos amigos analfabetos que são pessoas incríveis.